13/05/2016

Entrevista | Carina Rissi | Autora TopSeller

O Sinfonia dos Livros teve a honra de poder contar com uma entrevista a Carina Rissi, a nova autora bestseller da nossa TopSeller. 
O meu muito obrigada à Carina Rissi que aceitou responder a algumas perguntas com tanta abertura e simpatia.
Carina Rissi é uma leitora apaixonada, lê sempre a última página de um livro antes de o comprar e tem um fascínio inexplicável pelo tema «amores impossíveis». Tem em Jane Austen uma fonte de inspiração.
Nasceu em Ariranha, uma pequena cidade perto de São Paulo, onde vive actualmente com o marido e a filha.
Carina Rissi é autora de vários romances, entre os quais a trilogia Perdida, Encontrada e Destinado, êxitos de vendas no Brasil.


Aqui fica a pequena entrevista que a simpática autora nos concedeu.

SdL - Até hoje, qual foi o livro mais marcante que já leu?
CR - Foram tantos! Mas, acho que no fim das contas, o que mais me marcou até hoje foi Orgulho e Preconceito, da Jane Austen. É o livro que mais vezes li na vida. Meu favorito!

SdL - Dentro de cada género literário que gosta, qual o escritor/a que mais admira?
CR - Eu amo quase todos os géneros. Jane Austen é minha maior fonte de inspiração. Também amo Sophie Kinsella e Marian Keyes, as rainhas absolutas do género no qual eu me aventuro. Julia Quinn é maravilhosa! Meg Cabot e Paula Pimenta também. 

SdL - Alguma vez se deparou com alguém que estivesse a ler o seu livro, por exemplo, na praia, transportes públicos, etc?
CR - Já, sim. Quero me aproximar e perguntar se a pessoa está gostando, o que achou da história, mas sou tímida e acabo ficando com vergonha. Um dia eu crio coragem. Juro!

SdL - Como se sente quando vai a uma superfície comercial e se depara com os seus livros à venda?CR - Ainda é estranho. Estranhamente maravilhoso! Desde pequena que eu vivo com um livro debaixo do braço. Uma livraria, para mim, é o equivalente a Disneylandia para uma criança. É uma emoção toda vez que entro e vejo meus livros ali. É como um sonho no qual se pode tocar, entende?

SdL - Quando está a escrever partilha a história com alguém para obter conselhos, por exemplo um amigo ou um membro da sua família?
CR - Sim, mas apenas depois que o projecto está concluído. Não consigo trabalhar de outra maneira. Meu marido lê tudo o que eu escrevo antes que eu mande para a editora. Mas não pense que por ser casado comigo ele seja condescendente. Ao contrário, ele é bastante crítico. Aponta todos os problemas e não é raro eu ouvir "Esta cena ficou confusa", "Não entendi o que você quis dizer aqui", "Você pode fazer melhor que isso". E eu gosto disso. Preciso disso. Ajuda-me a lidar com as críticas, me torna uma escritora melhor.

SdL - Quais foram os maiores desafios que encontrou ou encontra quando está a escrever uma nova história?
CR -  O facto de que minhas personagens nunca obedecem ao roteiro. Eu planeio tudo, mas então elas tomam as rédeas e fazem o que querem da trama. Eu viro apenas uma espectadora. Estou ali só para escrever o que eu vejo. Sabe, eu admiro muito os escritores que dizem ter controle total sobre suas histórias e personagens. Admiro muito, mas não os invejo. Gosto mesmo é do caos, de seguir às cegas, ser surpreendida. Assim acabo tendo a mesma experiência que o leitor terá.

SdL - O que sente quando lê uma review ao que escreveu?
CR -  Adoro! É por meio das reviews que fico sabendo se consegui passar a mensagem que queria, o que o leitor achou do livro, os pontos que agradaram, os que não funcionaram... E também fico muito surpresa. Minhas histórias tendem a mexer com a emoção do leitor. Ainda acho fabuloso que eu seja capaz deste feito, mas ao mesmo tempo é um pouco assustador. É uma responsabilidade imensa.

SdL - Quais os projectos para o futuro?
CR -  Ando com prazos bem apertados até 2018. A série Perdida já chegou na metade, e estou trabalhando no quarto volume agora, onde contarei a história da Elisa Clarke. Deve sair no segundo semestre, no Brasil. Além disso, participei de uma antologia intitulada "O livro dos vilões", onde fiz uma releitura moderna da Bruxa Má da Branca de Neve que deu muito mais certo do que deveria e o conto vai se estender e virar um livro. Também contarei histórias de outros vilões. (Capitão Hook, você é o próximo!) Lancei este mês um spin-off de Procura-se um marido, o Mentira Perfeita. Dois personagens se sobressaíram tanto que eu tenho que contar a história deles (vou escrever um spin-off do spin-off! hahaha).
Tenho outros projectos em andamento, mas para 2018 ou 2019, mas garanto, tem muita coisa por vir ainda. ;)

Obrigada Carina Rissi, por ter dispensado um pouquinho do seu tempo para responder a estas perguntas. Estou (estamos todos) ansiosa para rever Ian e Sofia no segundo (e restantes volumes) de uma série que me conquistou logo nas primeiras páginas!

Beijinhos grandes e até a uma próxima!

Sem comentários:

Publicar um comentário

O seu comentário é valioso!
Obrigada pela visita e volte sempre!