15/05/2024

Opinião | Antes que o Café Arrefeça - De Regresso a Tóquio | Toshikazu Kawaguchi | Presença

Que saudades todos tínhamos deste café… Se pudesse voltar ao passado, quem gostaria de encontrar? Estamos de regresso a Tóquio para mais viagens… no tempo.
Num pequeno beco da cidade, bem escondido, há um café centenário. Mas, diante de uma chávena de café bem quente, os clientes recebem muito mais: a possibilidade de viajar até ao passado.
Do autor de um dos maiores bestsellers internacionais dos últimos tempos, Antes Que o Café Arrefeça: De Regresso a Tóquio leva-nos de regresso ao lugar onde o passado pode, subitamente, ser diferente. Aqui, encontramos quatro novas personagens que procuram a magia do Café Funiculi Funicula: um homem que quer rever o melhor amigo, morto há vinte e dois anos; um filho que não pôde ir ao funeral da mãe; um homem que precisa de reencontrar a rapariga com quem não pôde casar; um detetive que quer dar um presente especial à sua falecida mulher. Mas lembrem-se: as viagens no tempo têm condições e riscos… E nada do que façam vai alterar o presente.


Depois do sucesso que foi o primeiro livro, Antes que o Café Arrefeça, Toshikazu Kawaguchi traz novas personagens ao café Funiculi Funicula e, um maior vislumbre e conhecimento sobre as personagens que já havíamos conhecido.

Devo dizer que, se gostei do primeiro, este aqui foi-me directo ao coração... De uma forma enternecedora e com uma escrita tranquila e até melodiosa, o autor dá-nos a conhecer mais quatro histórias de personagens que apenas desejavam regressar ao passado por algum motivo. Não para modificar o presente e o futuro, porque já sabiam que não era possível, mas para poderem dizer ou fazer aquilo que não tinham conseguido na altura certa às suas pessoas amadas.
A mim tocou-me particularmente este livro. Estas quatro histórias lembram-me muito o quanto eu gostaria de poder fazer o mesmo e dizer ainda mais e mostrar ainda mais, às pessoas que perdi, o quanto as amava e o quanto me eram importantes. Quantos de nós não queria a oportunidade de fazer isso mesmo? Não posso deixar de reforçar a forma como Toshikazu Kawaguchi escreve. De alguma forma, ao ler este livro, senti sempre como se estivesse envolvida numa bolha de paz e tranquilidade, muito embora as personagens estivessem a passsar por emoções fortes e sentimentos profundos. É uma escrita fluída e suave. Embora sejam apenas histórias ficcionais, gosto de pensar que o autor conseguiu o seu propósito. Conseguiu dar alguma paz e conforto às personagens que sentiram necessidade de ir ao passado e correr o risco de se perderem algures no caminho.
Digam lá se não seria tão bom se pudéssemos ir ao passado, nem que fosse para rever aqueles que perdemos para sempre ou até mesmo aquelas pessoas das quais nos distanciamos e nos perdemos em vida. 
Não valeria a viagem? 

Se há algo que aprendi com este livro é que não devemos deixar nada por dizer. Seja algo de bom ou algo de menos bom. Se deixarmos trancado em nós, no futuro, tornar-se-á um sentimento de remorso profundo e nunca poderemos ser verdadeiramente felizes.

Espero, sinceramente, que Toshikazu Kawaguchi ainda nos brinde com muitas histórias e muitos livros destes.

08/05/2024

Opinião | O Segredo da Criada | Freida McFadden | Alma dos Livros

A família perfeita tem apenas uma regra: nunca espreitar por trás das portas.

Cinco anos após os acontecimentos de A Criada, Millie pensa que pode construir uma vida «normal», formando-se como assistente social e trabalhando para outra família rica... mas está muito enganada!

MISTERIOSO, INTENSO E VICIANTE COMO UM VERDADEIRO THRILLER DEVE SER!

«Millie, nunca entre no quarto de hóspedes...» Uma sombra abate-se sobre o rosto de Douglas Garrick ao tocar na porta do quarto com a ponta dos dedos. «É que... a minha mulher... está muito doente». Enquanto me continua a mostrar o seu incrível apartamento penthouse num dos prédios mais vistosos da cidade, tenho um pressentimento terrível sobre a mulher fechada naquele quarto.

Mas não posso arriscar-me a perder este emprego – pelo menos se quiser continuar a manter o meu segredo. É difícil encontrar empregadores que não façam muitas perguntas, especialmente sobre o passado. Nesse aspeto, agradeço a sorte de os Garrick me terem contratado.

Posso trabalhar aqui durante algum tempo, ficar sossegada até conseguir o que quero. Arrumar e limpar a sua deslumbrante penthouse de vista panorâmica sobre a cidade e preparar-lhes refeições sofisticadas na sua cozinha reluzente. O emprego quase perfeito.

Só ainda não conheci a Sra. Garrick, nem espreitei o quarto de hóspedes.

Tenho a certeza que a ouço chorar às vezes. Também já reparei em manchas de sangue na gola das suas camisas de dormir quando estou a lavar a roupa. Um dia, não consigo evitar bater à porta. E, quando se abre suavemente, o que vejo lá dentro muda tudo..


À semelhança do primeiro livro, A Criada, este foi mais um cheio de surpresas e reviravoltas.
Sinceramente, acabei por gostar mais deste do que do primeiro. Não tenho motivos concretos para isso, mas a verdade é que senti que a escrita neste segundo livro foi mais consistente e ainda mais fluída. A autora consegue, mais uma vez, prender-nos à Millie e a tudo o que ela vai pensando e fazendo. Adoro!
Achei a Millie mais ponderada e mais adulta neste segundo livro. A vontade de ajudar outras mulheres maltratadas continua presente, mas, desta vez, conseguimos perceber que, primeiro ela analisa e depois tenta perceber se consegue ou não ajudar. No entanto, algumas vezes, Millie ainda mostra aquela faceta ingénua e inocente de quem quer ajudar tudo e todos. É isso mesmo, é essa alternância entre o ingénuo e a maturidade que nos traz uma Millie mais fascinante ainda do que no primeiro livro.
Neste segundo volume, que, novamente, começa com um capítulo de nos deixar em pulgas, ficamos a saber que depois da primeira pessoa que ela ajudou, ainda que involuntariamente, Millie apaixona-se e vive tempos muito felizes, ainda que conturbados, dada a procura que ela tem para ajudar quem mais precisa. É novamente uma criada ao serviço de um casal, à partida normal, mas que em muito pouco tempo se percebe que são tudo menos normais aquele marido e aquela esposa. Fui apanhada de surpresa várias vezes neste livro, tenho de admitir e, de cada vez que isso acontecia, só conseguia pensar "mas que raio?! Fui enganada outra vez?" ... Adoro quando isso acontece e uma história me surpreende contantemente. Traz mais vivacidade à leitura e isso faz toda a diferença.
A forma como a autora consegue colocar algum romance e algumas cenas "doces", ajuda em muito a que o leitor sinta a leitura e sinta que aquelas personagens calculistas também sentem e também se emocionam. Gosto imenso disso e, se por um lado, nunca fui muito com a cara do actual namorado dela, fiquei extremamente feliz quando o "nosso" Enzo entra novamente em cena, quanto mais não seja para ajudá-la a sair da embrulhada onde ela foi metida!

Se já tinha ficado com esta autora debaixo de olho com o primeiro livro, com este aqui fiquei completamente fã!
Quero muito, muito ler os seguintes! Ainda bem que ela tem já vários livros escritos para irmos matando a "vontade" ..

Recomendo, obviamente!

30/04/2024

Opinião | Oceânia | Lucy Angel | Edições Saída de Emergência

Uma viagem de sobrevivência, conduzida pela obsessão e vingança…

Quando adormeceu no quarto luxuoso do seu palácio, Catherine era a bela princesa de Oceânia. Quando acorda acorrentada no porão de um navio, não passa de uma prisioneira. Ao perceber que fora Darin quem a raptara, o mais temível pirata dos mares, a esperança de ser salva diminui. Mas quando descobre que a intenção dele é sacrificá-la à Grande Serpente, percebe que o seu destino é a morte certa.

O Capitão Darin, impiedoso e enigmático, é guiado por uma obsessão de vingança que não conhece limites. E só obtendo a Safira Sagrada, à guarda da Grande Serpente, é que essa vingança poderá ser consumada. Ele não vai deixar que nada o desvie do seu objetivo: seja a beleza de Catherine, as suas respostas desafiantes sempre na ponta da língua ou a coragem e generosidade que demonstra quando menos se espera.

Se a morte é certa, Catherine irá fazer da vida de Darin um inferno. E procurará sobreviver, nem que para isso tenha de tentar matar uma serpente imortal com as próprias mãos. Mas o oceano esconde muitos segredos, e quando velhas lendas se revelam reais, a morte de Catherine poderá ser insignificante perante toda a destruição iminente.


Levei algum tempo a publicar aqui a minha opinião a este livro, mas não foi inocente. Quando acabei de o ler, estava tão envolvida na história e com as suas personagens, que tentei, em vão, elaborar uma opinião de imediato, mas não consegui.
Este livro da Lucy tem de tudo, apesar de ser um livro tão pequeno e que se lê tão rápido. Li-o numa tarde! Já não acontecia há algum tempo, mas não conseguia parar. O facto de ter monstros marinhos, serpentes gigantes e personagens tão intensas acabou por me arrastar junto para as profundezas desta história.
Agora, é um livro perfeito? Não... mas não estamos à procura do livro perfeito. Procuramos por um livro que nos faça sonhar, que nos faça viajar, que nos tire da realidade que a vida insiste em atirar-nos à cara, dia sim dia sim, e este livro faz isso na perfeição.
Neste livro temos a história de Catherine. Uma princesa de um dos sete reinos, Oceânia, e Darin, um pirata com fama de ser cruel e implacável, que a rapta e a faz ser prisioneira no seu barco apenas com um objectivo em mente: Resgatar a Safira Dourada que está sob a protecção da terrível Serpente Marinha que dominava os mares nas suas profundezas. É na busca dessa Safira Dourada que vamos ter a oportunidade de conhecer todas as personagens e tudo o que elas trazem de diferente e de valioso a esta história. Durante quase toda a leitura temos noção de que, de facto, o oceano esconde muitos e negros segredos, mas só pertinho do final é que temos a real noção do impacto desses segredos.
Um livro pequeno, mas que tem tudo. Romance, fantasia, emoção, algum humor sarcástico bem presente entre Catherine e Darin nas suas muitas picardias e uma personagem feminina que, ao contrário de muitas histórias, não precisa de ser salva por ninguém, muito menos por um homem.
Ficaram algumas coisas por abordar, mas que em nada prejudica este livro. Estou muito, muito ansiosa pelo segundo livro e ver o rumo que Catherine vai dar à sua vida, agora que sabe a extensão de todo o seu poder.

Queria ficar aqui a falar deste livro, mas aí, para vocês, não ia ser a mesma coisa e eu não quero isso! Leiam e depois falamos! 😊

Recomendo muito!!

17/04/2024

Opinião | Brilho Tóxico | Inês Rodrigues de Melo | Saída de Emergência

Há bens que vêm por mal.
Aos sete anos, Iris viu os pais serem mortos, nunca se conformando com a explicação da polícia de que se tratara de um assalto que correra mal. Aos vinte e um anos, leva uma vida perfeitamente normal, até que um simples passeio muda tudo. Iris vê-se subitamente envolta por um mundo louco que jurava não existir: o das deidades, geniis, vampiros, elfos e bruxas. E tudo isso vem acompanhado de segredos e mentiras que a fazem questionar a própria identidade.
Mas o pior está para vir. Algo ameaça esse mundo secreto de seres fantásticos e a jovem é a peça-chave nesse plano de destruição. Mesmo que não se queira envolver numa guerra que não compreende, é tarde de mais para recuar, pois as ameaças já chegam ao mundo real, colocando em perigo a família que a acolheu desde que ficou órfã. Será possível travar o mal que a cerca? Ou tudo terminará apenas com o derradeiro sacrifício… o seu?

Sou um pouco suspeita por falar sobre este livro e dizer o quão bom ele é, sendo que fui uma das beta readers e, gosto de pensar que dei algum contributo a concretizar o sonho da Inês, a qual vim a descobrir, é minha conterrânea.

Este livro traz-nos a história de Íris e a sua existência na Terra como um Ser fantástico, com poderes fantásticos.
É uma história que nos prende do princípio ao fim, deixando-nos com um final a pedir por muito, muito mais.
A autora, traz-nos um conjunto de personagens muito bem criadas. Cheias de personalidade, cada uma delas. Umas com mais mau feitio, outras com menos e mais amigáveis, mas todas elas traz o seu contributo ao evoluir da Íris na sua caminhada como Genii, como Ser pertencente a uma realidade completamente diferente daquela que ela levava até ali. Desde pequena que sentia que por detrás do desaparecimento dos pais, havia muito mais o que contar, mas com os anos, foi acabando por deixar cair no esquecimento. Até que, sem nada fazer crer, o dia em que tudo ia mudar chegou e destruiu tudo aquilo em que ela acreditava.
Agora fazia parte de um Ninho, uma Comunidade diferente daquilo que conhecemos como uma sociedade normal, embora todos os seus membros pudessem passar completamente despercebidos, como seres humanos iguais a tantos outros.
Com a ajuda de todos os membros da sua nova comunidade, Íris vai começar a conhecer e a tentar dominar o seu poder, a conhecer a sua verdadeira origem e, de uma maneira algo fortuíta, a sua metade. Embora não seja uma relação fácil, longe disso, Íris e Matthew vão tornar-se parte um do outro, mas nada disso será um caminho suave.
Adorei todo o universo que a autora conseguiu criar, com várias criaturas sobrenaturais, com seres humanos donos de corações enormes e um romance intenso e atribulado no meio disto tudo.
A capa é absolutamente maravilhosa e, a meu ver, apenas uma coisa faltou para esta edição ficar ainda melhor: Um mapa nas páginas principais. Vocês têm de concordar comigo. Espero que no segundo volume isso seja algo a ponderar.

Aguardo ansiosa pelo segundo volume e recomendo muito a todos lerem este livro.



12/04/2024

Opinião | A Criada | Freida McFadden | Alma dos Livros

 Por trás de cada porta, ela consegue ver tudo.

«Bem-vinda à família», diz Nina Winchester enquanto me cumprimenta com a sua mão elegante e bem cuidada. Sorrio educadamente e olho para o longo corredor de mármore.

Este emprego caiu-me do céu. Talvez seja a minha última oportunidade para mudar de vida. E o melhor de tudo é que aqui ninguém sabe nada acerca do meu passado. Posso esconder-me e fingir ser aquilo que eu quiser. Infelizmente, não tardo a descobrir que os segredos dos Winchester são muito mais perigosos do que os meus…

Todos os dias limpo a bela casa dos Winchester de cima a baixo, vou buscar a filha deles à escola e cozinho uma deliciosa refeição para toda a família antes de subir e comer sozinha no meu quarto minúsculo no sótão.

Tento ignorar a forma como Nina gera o caos só para me ver limpar. Como conta histórias inverosímeis sobre a filha. E como o seu marido, Andrew, parece cada dia mais destroçado. Quando o vejo, e àqueles belos olhos castanhos tão tristes, é difícil não me imaginar no lugar de Nina. Com o marido perfeito, a roupa chique, o carro de luxo. Um dia, experimentei um dos seus vestidos só para ver como me ficava. Mas ela percebeu... e foi aí que descobri porque é que a porta do meu quarto só trancava pelo lado de fora...

Se sair desta casa, será algemada.
Devia ter fugido enquanto podia. Agora, a minha oportunidade desapareceu. Agora que os polícias estão na casa e descobriram o que está no andar de cima, não há volta atrás.
Estão a cerca de cinco segundos de me ler os direitos. Não sei muito bem porque não o fizeram ainda. Talvez esperem induzir-me a dizer-lhes algo que não devia.
Boa sorte com isso.

O polícia com o cabelo preto raiado de grisalho está sentado ao meu lado no sofá. Muda a posição do seu corpo entroncado sobre o cabedal italiano cor de caramelo queimado. Pergunto-me que tipo de sofá terá em casa. Não um, certamente, com um preço de cinco dígitos como este. Provavelmente de uma cor foleira como laranja, coberto de pelo de animais de estimação e com mais do que um rasgão nas costuras. Pergunto-me se estará a pensar no seu sofá em casa e a desejar ter um como este. Ou, mais provavelmente, está a pensar no cadáver lá em cima no sótão.

Este foi daqueles livros que, quando saiu, eu pensei logo "Meh... acho que não é para mim", no entanto, ao ir vendo tantas e tão boas reviews, acabei por ceder e comprei. Não li assim que comprei. Ainda esperei que a hype passasse um bocadinho para não ser totalmente influenciada, uma vez que já o tinha sido na questão de o comprar.
Contudo, aproveitando o mês de Março para leitura conjunta no clube de leitura do Sinfonia Leitura puxa Leitura, peguei nele e foi até acabar. Juntando as horas, foram mais ou menos 6 horas ao todo para "despachar" este menino.
A escrita é leve e viciante. Os capítulos são pequenos e rápidos fazendo com que queiramos sempre ler o próximo.
Somos logo atraídos pela forma como começa e, ao longo da leitura vamos sempre tentando descobrir o que aconteceu naquele primeiro andar, quem morreu, quem matou e porquê. É um livro dividido em várias partes e, em cada uma delas, sentia um ódio novo por uma das personagens. Até que, finalmente, cheguei àquele ponto em que vi logo quem era mesmo o mau da história toda.
Embora tenha descoberto o culpado de tudo a meio da narrativa, o final acabou comigo. Nada fazia prever que a autora rematasse a história daquela forma e muito menos com aquela personagem tão sem importância (na nossa perspectiva). Qualquer uma das personagens acaba por nos atrair completamente pela sua forma de pensar e de agir. São todas tão retorcidas e oportunistas que me deixaram de boca aberta. Nenhuma delas dá um pontinho que não tenha um nó à medida. É tudo pensado e feito ao pormenor. É de génio, pelo menos para mim.
Freida McFadden acabou por se tornar uma das minhas autoras preferidas do género, pela forma como torna um género literário mais "sério" e pesado, numa leitura viciante, leve e em que queremos sempre mais.
Não sou uma expert em livros deste género, mas este é o tipo de história que eu gosto e que nunca me arrependo de comprar e ler.

Se ainda não leram, não deixem de o fazer.

10/04/2024

Opinião | Quarta Asa | Rebecca Yarros | Planeta Editora

Entra no mundo brutal, mágico e envolvente de uma escola de elite para cavaleiros de dragões.

Violet Sorrengail, de vinte anos, deveria ter entrado no Quadrante dos Copistas, e viver uma vida tranquila entre livros e história. Contudo, a general comandante, que também é a sua mãe, ordenou-lhe que se juntasse às centenas de candidatos que se esforçam por se tornarem elite de Navarre: os cavaleiros de dragões. Mas quando és mais pequena do que todos os outros e o teu corpo é frágil, a morte está apenas a um batimento cardíaco de distância… porque os dragões não se ligam a humanos frágeis. Eles reduzem-nos a cinzas.
Num cenário com mais cadetes do que dragões, muitos matariam Violet para aumentar as suas hipóteses de sucesso. Outros matariam apenas por ela ser filha de quem é - tal como Xaden Riorson, o líder mais poderoso e implacável do Quadrante dos Cavaleiros.
Para sobreviver, Violet vai precisar de usar toda a sua inteligência. No entanto, a cada dia que passa, a guerra lá fora torna-se mais mortífera, as proteções do reino estão a falhar e o número de mortos continua a aumentar. E Violet começa a suspeitar que a liderança está a esconder um segredo terrível. Amigos, inimigos, amantes. Todos na Escola de Guerra Basgiath têm um objetivo - porque, quando se entra, só há duas maneiras de sair: concluir as provas ou morrer.



"𝐔𝐦 𝐝𝐫𝐚𝐠ã𝐨 𝐬𝐞𝐦 𝐨 𝐬𝐞𝐮 𝐜𝐚𝐯𝐚𝐥𝐞𝐢𝐫𝐨 é 𝐮𝐦𝐚 𝐭𝐫𝐚𝐠é𝐝𝐢𝐚.
𝐔𝐦 𝐜𝐚𝐯𝐚𝐥𝐞𝐢𝐫𝐨 𝐬𝐞𝐦 𝐨 𝐬𝐞𝐮 𝐝𝐫𝐚𝐠ã𝐨 é 𝐮𝐦 𝐜𝐚𝐝á𝐯𝐞𝐫."

Dizer que gostei deste livro é ser muito, muito limitada. Já li muitos livros deste género e este conseguiu um lugar de topo na lista. Pensava que seria apenas mais um, mas está longe disso. Entrou para a lista dos meus preferidos, não só deste ano, mas desde que comecei esta minha jornada pelo mundo dos livros.
Tem de tudo. Acção, emoção, romance, humor e personagens que nos entram na mente e depois não saem de lá.
No entanto, tenho de ser sincera e admitir que os elementos que roubaram o meu coração, sem qualquer dúvida, foram os dragões! Qualquer um deles roubou um pedacinho mas, Tairn e a "pequena" Andarna ficaram tatuados nos meus pensamentos e no meu coração. Não sabia que precisava tanto destes dragões na minha vida!
Violet e Xanden, aquela relação de inimigos que nem sequer podem com o simples pensamento um do outro e que depois, finalmente, admitiram o que estava óbvio para toda a gente.
Todo este livro é um rol de personagens que, ou amamos ou detestamos profundamente. Adorei o grupo de amigos (até agora) fiéis e divertidos de Violet, a forma como cada um deles foi crescendo na história e como foram essenciais no crescimento pessoal de Violet. Detesto a mãe dela, e, contra muita gente vou, quando digo que não simpatizei muito com o Dain, apesar de saber que ele só quer o bem de Violet. Mas, a meu ver, não vale tudo para isso.
De resto, só consigo pensar nos dragões. I'm a sucker for dragons, tenho de admitir! Não é segredo para ninguém! Adoro as falas deles, a forma como interagem com os seus cavaleiros escolhidos e a relação de fidelidade e de, até mesmo, amor que existe entre um dragão e o seu cavaleiro que se torna muito mais do que isso. A forma como Tairn protege a Violet e o carinho que Andarna tem por ela, deixam-me de coração cheio um sorriso no rosto. Adoro quando Tairn dá raspanetes à Violet. É sempre tão engraçado imaginar a cena.

Quero ficar aqui e escrever mais e mais sobre este livro, mas não posso!

LEIAM ESTE LIVRO!

20/03/2024

Opinião | A Voz de Archer | Mia Sheridan | Edições ASA

Trouxeste o silêncio,
O som mais lindo que já ouvi.
Eu queria perder-me na neblina do Maine. Esquecer tudo o que tinha deixado para trás. O som da chuva. O sangue. O frio da arma contra a minha pele. Ao longo de seis meses, cada instante me recordava que eu estava viva – e o meu pai, não. E foi então que conheci Archer Hale e a minha vida mudou por completo… nunca mais voltei a ser a mesma.
Quando me insinuei no seu mundo estranho, isolado e silencioso, Archer não tinha contacto com mais ninguém. E no entanto, naqueles olhos cor de âmbar, aconteceu algo de intangível entre nós. Havia algo que nos ligava – paixão e mágoa.
Esta vila está repleta de segredos, e Archer parece estar no centro de tudo.
A Voz de Archer é a história de uma mulher que não consegue esquecer uma noite apavorante, e do homem cujo amor lhe trará liberdade. É a história de um homem ferido e da mulher que o ajuda a encontrar a sua voz. É a história da redenção de ambos e uma celebração do poder transformador do amor.


💕"Trouxeste o silêncio, o som mais lindo que já ouvi."

A releitura deste livro foi tão emocionante como quando li a primeira vez, em inglês. Uma história de amor que tem tanto de triste como de arrebatadora.
A Bree é uma alma velha presa num corpo jovem. Depois de um violento trauma e de uma perda irreparável, ela resolve pegar no carro, na cadela e afastar-se de tudo o que lhe relembra o que aconteceu. Tem pesadelos e ataques de pânico recorrentes que se intensificam em noites de tempestade.
Chega a uma cidade pequena, onde toda a gente conhece toda a gente e, com o seu jeito simples e amável de ser, não tarda a arranjar amigos, trabalho e uma casinha aconchegante..
Daí até conhecer Archer, conhecido como o desiquilibrado e ermita da cidade, foi um tirinho. Conhecem-se de uma forma pouco habitual. Com a simpatia que lhe é fácil, Bree tenta comunicar com ele e percebe que ele não fala. Sorte? Ela sabe linguagem gestual. Não tardou muito a que Archer lhe fosse abrindo as portas de casa e do seu coração. Passinho a passinho, Bree vai entrando na vida dele e fazer-lhe ver que ele é mais e melhor do que aquilo que ele pensa.
No entanto, tendo ele os seus próprios traumas desde criança e que o fizeram ser como é, ele consegue ensinar a Bree que aquilo que as outras pessoas pensam de nós pouco importa e que o que realmente é importante é a forma como somos fiéis a nós mesmos, aos nossos ideais, aos nossos princípios e ao que acreditamos.
Tanto um como outro vão aprender imenso no processo entre uma amizade verdadeira e um amor arrebatador e que ultrapassa qualquer barreira da linguagem e do preconceito social.
Contra tudo o que todos lhe diziam, Bree acabou por ser fiél ao seu coração e aos seus instintos que sempre lhe disseram que Archer era um homem bom, honesto, trabalhador, fiél, fiável e amoroso.
Só não dei a classificação máxima porque queria mais dos cães dos dois e queria que o primo de Archer tivesse levado uma lição a sério!
Gosto imenso da forma como a autora escreve porque é aquele tipo de escrita que vicia. É uma escrita fluída e leve mas muito rica em detalhes e emoções. Gosto imenso!

Recomendo vivamente!



18/03/2024

Opinião | Amor e Outras Mentiras | Andreia Ramos | Saída de Emergência

Uma namorada fictícia. Um casamento fora de controlo. Um reencontro com o passado que vai mudar as suas vidas.
Vanessa é a personificação da simplicidade. Deem-lhe uma t-shirt engraçada e um bom copo de vinho, e consegue até aturar os clientes da pior agência de comunicação do mundo. Mas quando o seu melhor amigo revela que precisa de uma namorada fictícia para levar ao casamento da irmã — com o intuito de esconder de uma família altamente conservadora a orientação sexual —, Vanessa não hesita em transformar-se na pretendente de sonho de quaisquer pais ricos e exigentes.
No entanto, conseguirá ela manter as aparências quando se depara com um amor antigo? E será possível manter o papel de menina bem-educada diante da avó altamente homofóbica do amigo? E daquele cão horrível que anda sempre atrás dela?
Entre situações hilariantes e embaraçosas, esta é uma obra deliciosa sobre um casamento fora de controlo, que nos faz refletir sobre o que realmente é importante na vida. Ao mesmo tempo, confirma o talento único de Andreia Ramos, definitivamente a nova sensação da comédia romântica.


Quando peguei neste livro, já desconfiava de que ia ser uma leitura viciante e divertida, como a Andreia já nos habituou.
Neste pequeno (grande) livro temos de tudo:
  • Melhores amigos que fingem que são namorados;
  • Uma família armada em finória cheia de "não-me-toques";
  • Uma vó com a mania das grandezas;
  • Um mini-cão que tem a mania que é grande e que tem mau feitio;
  • Um irmão "podre de bom" que faz as delícias de todas as solteiras da região e mais além.
  • Uma Vanessa cheia de vida e com um armário recheado de t-shirts com frases provocatórias e hilariantes.
Ainda não li todos os livros da Andreia, este é o terceiro e se já tinha adorado o "De Espanha... sem Amor", este aqui tem tudo o que eu gosto e subiu no meu ranking. Romance, cenas mais quentes escritas de uma forma nada constrangedora e vulgar, como muitas vezes encontramos em outros livros, comédia e a introdução de um mini-cão chamado Frufru de focinho empertigado, é a cereja no topo do bolo. Adorava ter um canito como o nosso Frufru.

A Andreia tem uma forma de escrever que nos prende e que nos faz esquecer da realidade. Faz-nos rir e sorrir e faz com que nos sintamos bem. As gargalhadas que dei com as tiradas da Vanessa e do Duarte souberam-me pela vida e, mesmo já tendo passado algum tempo desde que o li, ainda hoje em dia apanho-me a rir quando me lembro de uma ou outra passagem do livro. A cada livro que a Andreia lança, vê-se um amadurecimento e uma evolução muito positiva na sua forma de escrever.

A Vanessa é uma jovem mulher super activa, com um cérebro extra-estimulado e um coração enorme. Faz de tudo pelo seu melhor amigo, Duarte e, dói-lhe imenso o facto do melhor amigo ter de fingir que tem namorada para esconder a sua verdadeira realidade da própria família. Sendo que Vanessa tem uma família adorável e amorosa, que não julga nem condena. Gosto imenso de como eles são tão cumplices e tão presentes um para o outro. Contudo, não posso deixar de frisar que a minha personagem preferida foi o Lourenço. Um jovem empresário de sucesso, obrigado pela família a tomar os negócios da família nas mãos, mantém um coração genuíno e afável. Adora os irmãos e aquele casamento da irmã vai trazer-lhe tudo o que ele mais desejava. 

Gostei imenso de todas as personagens, mesmo as mais intoleráveis. Acho que estava sempre na esperança de que, pelo menos, a "vó" abrisse os olhos e visse que a vida merece ser vivida de outra forma e que não nos vale de nada termos a mania que somos melhores do que os restantes que andam à nossa volta. Detesto pessoas preconceituosas, mas essa "vó", com mais um bocadinho de paciência, poderia ser moldada para melhor. Quem sabe...?

Resumindo: Este é uma leitura que vocês não vão querer perder! Têm uma tarde livre? Então é a tarde perfeita para ler este menino.