31/05/2019

Opinião | O Egomaníaco | Vi Keeland | TopSeller

O que dizer de Drew Jagger?
É presunçoso, egocêntrico e arrogante…

Eu estava bastante satisfeita com o meu novo consultório, que arrendei em pleno centro da cidade, até que o Drew apareceu. Foi uma confusão! Pensei que ele era um assaltante e tentei atacá-lo, até que ele, calmamente, me esclareceu: eu é que estava no escritório dele. Ou seja, descobri que tinha sido enganada.
O Drew achou piada à situação e à minha ingenuidade« (assim como a outros dos meus… atributos), e propôs um acordo irrecusável: partilharmos o espaço até eu encontrar um novo, e em troca eu atenderia os telefonemas dele. Nem parece mau, pois não?
O problema é que juntos somos a receita ideal para o desastre. O Drew é advogado especialista em divórcios — cínico, convencido e estupidamente sexy —, e eu sou conselheira matrimonial, interessada em salvar os casamentos que ele quer ajudar a desfazer. As discussões entre nós são tórridas e as diferenças mais do que óbvias. A única coisa que nos une é o espaço que partilhamos… E uma atração cada vez mais louca e incontrolável.
... mas confesso: não consigo deixar de pensar em como será beijar aqueles lábios tentadores!

(Pode conter spoilers...)
Como sempre, Vi Keeland não desiludiu. Adoro essa série de livros que nos apresentam sempre personagens tão cheias de personalidade e de humor sarcástico. 
De uma forma simples e atractiva, a autora vai, de livro para livro, melhorando personagens, diálogos, situações e descrições tornando a leitura dos seus livros cada vez melhor.
Neste livro temos mais um casal bombástico. Emerie e Drew. Duas pessoas tão diferentes nos estilos e maneiras de pensar e viver a vida que seria quase pecado não tentar juntá-los. Ela acredita no poder do amor e da psicologia para fazer com que as pessoas sejam bem sucedidas nas suas relações pessoais e amorosas. Ele, um advogado cheio de carisma e bem parecido que não quer mais nada com as mulheres a não ser umas quecas ocasionais e tirar-lhes tudo o que conseguir em tribunal nos processos de divórcio em que trabalha diariamente. Tendo em conta o passado dele, eu também faria o mesmo, acho eu.
Quis o destino que eles se conhecessem da forma mais caricata possível quando ela é enganada por um chico-esperto e aluga o escritório que é de Drew, enquanto ele está de férias. Ora, quando ele chega de férias e depara-se com uma estranha, ainda que sexy, a ocupar o seu escritório, dá-se todo um rol de situações mirabolantes que vão permitir que eles se aproximem e passem a ser amigáveis um com o outro. Para ele ser simpático com ela era o mínimo que poderia fazer, visto que ela estava na cidade há poucos dias e vinha do interior do país e tinha sido enganada. Ela, não poderia ser outra coisa senão agradecida e simpática em retorno, uma vez que ele nem a tinha expulsado do seu escritório, nem tinha apresentado queixa e ainda a tinha ajudado a tentar apanhar o aldrabão que a tinha enganado. 
De uma forma natural e espontânea, Emerie e Drew tornam-se como que "companheiros no crime" e aos poucos a forma como pensam e olham um para o outro vai mudar e tornar-se em algo mais do que uma amizade cheia de altos e baixos. 
Adorei a forma como a autora juntou estas duas personagens de uma  forma tão natural e simples. Não achei que tivesse sido uma coisa forçada, tipo "o que tem de ser tem de ser e tem muita força.", até porque mesmo ele sendo atraente e sexy, a aversão que ele tinha a casamento e a uma relação pós-quecas, podia muito bem ter afastado e repelido a nossa psicóloga romântica. Isso não aconteceu e Emery, uma mulher sensata e ponderada, ainda que muito emocional, tenha percebido o bom que Drew tinha lá no fundo e não fez mais do que dar a tal oportunidade que ela sempre dizia aos seus pacientes para darem nas suas relações.

Como sempre, adorei e recomendo!

Sem comentários:

Publicar um comentário

O seu comentário é valioso!
Obrigada pela visita e volte sempre!