06/10/2015

Opinião "Atraída Pelo Fogo" de Tara Sue Me

Julie sempre gostou de brincar com o fogo. Mas estará à altura das fantasias de Daniel? 
Julie Masterson sempre foi muito certinha. É dona de uma florista, gosta do seu trabalho, mas a cada dia que passa sente que lhe falta qualquer coisa, e é atravessada por um crescente desejo de aventura, de risco… de perigo. Mal sabe ela que os seus desejos vão mesmo cumprir-se. 
Quando Daniel lhe entra na loja, os seus olhos azul-aço deixam-na quase paralisada. E as mãos dele, firmes, sensuais, levemente ameaçadoras, despertam nela incontroláveis fantasias.
Julie pouco sabe sobre aquele loiro autoritário, a não ser que é o vice-presidente de um banco. Está longe de imaginar que acabou de conhecer um temido dominador, para quem o amor é uma palavra estranha.. E quando aceita o convite para o acompanhar a um jantar de gala, mal sabe que está a dar início a uma perturbante aventura. Aos poucos deixa-se atrair pelo fogo que a consome, que consome Daniel, que ameaça transformar-lhes a vida para sempre. Vai descobrir todo um mundo de prazeres desconhecidos, e um desejo de submissão que a surpreende e a leva ao êxtase absoluto. Mas vai sentir na pele que o amor de Daniel tem um preço, e a paixão que os incendeia pode queimar...
Estará disposta a enfrentar as chamas? Até onde irá para conquistar o coração de Daniel?

*Pode Conter Spoilers*
3***
Nunca tinha lido nada desta autora, embora ela já tenha uma trilogia "Submissa" publicada em Portugal, também através da editora Lua de Papel
Quando começo um livro em que o tema principal é BDSM, fico sempre com a pulga atrás da orelha. Receio do que vou encontrar escrito nas páginas que vou virando. No entanto, neste livro Tara Sue Me aborda o tema de uma forma muito subtil e leve, explicando, ou tentando explicar as regras principais entre um Dominador e uma Submissa. A ideia que muita gente tem (na vida real) é que ter um tipo de relação assim deve ser vergonhoso, assustador e doloroso e até cruel. A questão é que, bem ou mal, em todos os livros que já li sobre o tema, em nenhum deles a Submissa me pareceu envergonhada, assustada ou até mesmo alvo de crueldade. Tudo bem que por vezes há quem leve a Dominação além dos limites e regras impostos, mas, e isso ficou bem explicito neste livro, há sempre um castigo para quando isso acontece. Para quem quer ter um estilo de vida sexual assim, é necessária muita preparação, abertura de espírito, confiança e, de certa forma, coragem de se expôr completamente.
A relação que nasce entre Julie e Daniel começa na base da atracção física, aquela química inavegável que dá a ideia de que toda a gente está a par de que eles se sentem atraídos um pelo outro. No entanto, nem ela sabia o que ele era na sua vida privada, como também não tinha a certeza do que queria a nível sexual. Trabalha com Sasha, uma submissa assumida e que, porque colocou-se nas mãos de um Dominador algo inexperiente, fica numa situação, essa sim, dolorosa tanto a nível físico como psicológico. Ao terem a noção de quem ambos eram na realidade, tanto Julie como Daniel envolvem-se de uma maneira mais profunda e apesar de que as actividades sexuais deles são muito baseadas na Dominação/Submissão, é uma relação terna em que para além do desejo, impera o amor, a confiança e a compreensão entre ambos. 
Não consegui dar mais do que três estrelas (3,5 na realidade) porque fico sempre com a sensação (em todos os livros desse género, erótico/masoquista) falta sempre qualidade nos diálogos, sejam eles durante o acto sexual, como no dia a dia. Não consigo perceber como é que alguém, em pleno acto sexual, consegue ter discernimento de elaborar frases e pensamentos coerentes. Não é suposto no acto sexual atingirmos a plenitude espiritual e esquecermos-nos do que nos rodeia, (não incluindo, claro, o companheiro)? Contudo, gostei das personagens. Ela, embora tenha vontade de se descobrir interiormente, o que realmente deseja a nível sexual, pondera todos os prós e os contras de se entregar total e completamente a um homem, sem reservas e sem restrições. Ele, pela ternura, sabedoria e paciência que sempre teve, mesmo nas alturas em que parecia que ela ia desistir de quem realmente era. Achei-os "fofos" quando estavam juntos. Duas pessoas inteligentes que sabem os seus limites e conseguem ter conversas francas e honestas. Gostei também do facto de Tara Sue Me empregar uma linguagem que não fere susceptibilidades. Não roça sequer o "porco". Conseguimos imaginar as cenas sem ficar com a sensação "mas que porcaria é esta?" ou "mas que raio de badalhoquice Meu Deus!"... Usa uma escrita simples e actual, permitindo às suas personagens crescerem à sua maneira e tempo.
Quero agora saber, como será com Dena e Jeff ;)

(Este exemplar foi gentilmente cedido ao Sinfonia dos Livros, em troca de uma opinião sincera.)

1 comentário:

  1. Alguém por favor tem e esse livro em PDF?
    Se tiver manda para o meu e-mail:
    stelmastchuk.monika96@gmail.com

    ResponderEliminar

O seu comentário é valioso!
Obrigada pela visita e volte sempre!