24/11/2016

Opinião | Confesso | Colleen Hoover

Jovens apaixonados com demasiadas verdades escondidas. Há segredos que não devem ser revelados.
Auburn Reed tem toda a sua vida planeada. Não há espaço para erros ou imprevistos. Até que, um dia, entra num estúdio de arte e conhece Owen Gentry, o enigmático artista dono do estúdio. Auburn sente, de súbito, que algo muda dentro dela e decide deixar-se levar pelo coração.
Owen, contudo, guarda segredos que não quer ver revelados. As escolhas do seu passado não parecem permitir-lhe um futuro livre, e Auburn tem demasiado a perder se decidir lutar por ele. A única forma de não pôr em risco tudo o que é importante para si é deixar Owen. Confessar é tudo o que ele tem de fazer para salvar a relação de ambos. Mas, neste caso, a confissão pode ser muito mais destrutiva do que o próprio pecado.
Será o amor capaz de sobreviver à verdade?
Confesso é uma história de imenso amor e coragem, que nos faz acreditar em segundas oportunidades.
Inclui 8 páginas a cores com as ilustrações dos quadros de Owen.

Já me faltam as palavras para adjectivar esta autora e tudo o que ela me faz sentir quando leio os seus livros. Sério. Sem dúvida, Colleen Hoover é a minha autora preferida. Pelo menos até agora. A forma como ela cria as histórias, as personagens e tudo o que acontece entre elas, é maravilhoso. Não nos faz sentir como se não pudesse acontecer na vida real. Se há uma coisa que aprendi com Colleen foi a de sentir afecto por todas as suas personagens. A empatia que se sente com tudo e todos os que vão constituindo as suas histórias é imediata e não há forma de fugir a isso. 
Esta é a historia de Auburn (adoro o nome, já agora) e de Owen. 
Uma particularidade? O nome do meio dos dois é igual: Maison! Achei imensa piada ao facto de esse pormenor foi a primeira coisa que eles repararam que tinham em comum.
Auburn tem um passado doloroso e um presente cheio de segredos. Aos quinze anos perdeu o amor da sua vida, Adam. A pessoa que a compreendia, que a tornava inteira, sem a qual parecia que não conseguia respirar e o aperto no peito era constante. Cinco anos depois, conhece Owen Maison Gentry (OMG para os amigos, lol) e a sua vida, tal como ela a conhecia, acabou. 
Adorei a forma como Colleen, mais uma vez, conseguiu relacionar o passado das duas personagens e fundi-lo com o presente. Tanto Auburn como Owen têm personalidades muito próprias e fortes. São ainda muito jovens, mas já têm uma maturidade enorme e, uma vez comprometidos com algo ou alguém, não há volta a dar.
O segredo de Auburn não foi uma grande surpresa e até confere mais valor a Adam, falecido há cinco anos. Percebo a forma como Auburn pensa em tudo e mais alguma coisa a fim de não estragar a sua vida. As responsabilidades da sua condição de vida não permitem que seja inconsciente e que se deixe ir ao sabor do vento. Já o segredo de Owen não era, de todo, expectável e é justamente por isso que adoro a forma como esta autora escreve. Ao longo da leitura passei por várias fases emocionais. Senti-me encantada pela forma como eles se conheceram e sentiram logo aquele "clic" tão bom entre duas pessoas que parece que já se conhecem há imenso tempo. Senti-me absorvida por todas as vezes que eles estavam juntos e não podiam confessar tudo o que queriam. Senti-me chateada por haver sempre tantos obstáculos e pessoas más a tentarem destruir o que cada um tinha de bom. Senti-me enlevada pelo talento de Owen e pelos seus quadros. Transmitiram-me tantas emoções, tanta personalidade e tanta paixão que só me apetecia retirar as imagens do livro e colocá-las nas paredes da minha casa. Mas, acima de tudo, senti-me arrebatada pela forma como o passado e o presente combinados, permitiu que eles se libertassem de todos os segredos e pudessem, finalmente, confessar tudo o que havia para confessar.
A meu ver, os leitores precisam mais de Auburn e Owen. EU preciso mais de Auburn e Owen. Espero, muito sinceramente, que Colleen esteja a pensar continuar com esta história uma vez que (e isto sou eu a tentar arranjar argumentos para um segundo livro) o final pareceu-me ficar em aberto. Acho que mais coisas ainda podem acontecer com este casal (por favor, por favor).

Uma última nota: Adorei os últimos capítulos. Foram absolutamente arrebatadores e tão, mas tão emotivos que me vieram as lágrimas aos olhos. Mesmo sem termos tido muito de Adam, foi o suficiente para se tornar numa personagem chave para a história de Owen e Auburn.

 
(Este exemplar foi gentilmente cedido pela TopSeller em troca de uma opinião sincera)

2 comentários:

  1. Vc conseguiu entender qual a relação do Adam com o Owen ? Eu fiquei perdida...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,

      o Owen conheceu o Adam no hospital quando o pai dele teve o acidente de carro, há uns anos atrás :)

      Eliminar

O seu comentário é valioso!
Obrigada pela visita e volte sempre!