27/09/2012

Crítica - A Possessão - Jennifer Armintrout

Sinopse

"O meu pai sempre me disse que o medo é uma fraqueza.

Ora, isso é fácil de dizer quando não temos de nos preocupar com caçadores de vampiros e água benta. Detesto o medo, mas a vida, ou melhor, a morte continua. matei o meu amo malévolo, Cyrus, apaixonei-me pelo meu novo amo, Nathan, e até me acostumei a beber sangue. E quando as coisas estavam a regressar ao normal - o mais normal possível quando a luz do sol nos pode matar - Nathan é possuído. E massacra um humano inocente. Agora tenho de encontrar Nathan antes que o Movimento Voluntário para a Extinção dos Vampiros o localize, porque estão apenas à espera de uma desculpa para o matar - a ele e a qualquer outro que seja suficientemente parvo para o ajudar. Mas isso não é o pior. Nathan está possuído pelo espírito de um dos vampiros mais malévolos de sempre, O Devorador De Almas. E quem pode imaginar quais serão os seus planos? Com o devorador de Almas e o meu amo possuído à solta, sinto muito medo, incluindo ser morta, outra vez."

Opinião da Andreia Pedrogão (Contêm SPOILER!)

Ao ler o primeiro volume fiquei completamente sem vontade de ler este segundo volume, opinião completamente mudada após começar a lê-lo.
Custou-me de certa forma a ler este livro mas gostei desta narrativa cheia de acção, amor, ódio e também com alguma complexidade.

Cyrus acorda após 3 dias da sua nova breve morte, mas desta vez como ser humano dentro duma igreja acompanhado por uma rapariga nova bastante inocente do qual se tenta aproveitar mas acaba, com ela, por conhecer o sentimento “amor”, por estar constantemente em contacto com ela. Isto até a sua iniciada da vida passada Carrie o ir “raptar” para se vingar do passado mais uma vez e também para auxiliar Nathan.
No momento que é raptado, os vampiros que moravam por cima de si matam a humana, visto que ela já não tem qualquer utilidade para eles. Ao voltarem para trás Cyrus e Carrie, deitam fogo ao resto da igreja que não ficou devastada pelo primeiro incêndio que os vampiros provocaram.

O que leva Carrie a “raptar” Cyrus, é o seu novo amo Nathan estar a ser possuído, e acaba por se alimentar de qualquer pessoa que lhe apareça pela frente. E em auxilio do seu novo amo precisar dos conhecimentos sábios de Cyrus, ou assim julga ser. Através dum feitiço consegue encarnar o papel da ex-mulher de Nathan e fazê-lo voltar há realidade.

Com estes acontecimentos fiquei muito entusiasmada e com esperança de ter oportunidade de ler o volume seguinte “Cinzas” para ver mais acontecimentos e em como tudo acaba.


Recomendo a continuação desta quadrologia mesmo a quem não gostou do primeiro volume, tal como eu.


Boas leituras, leitores.
Andreia Pedrógão

2 comentários:

  1. Ao que parece não é Paulo... quando tiver mais novidades sobre isso passo a informação :)

    ResponderEliminar

O seu comentário é valioso!
Obrigada pela visita e volte sempre!