22/04/2015

Opinião "Sem Medo do Destino" de Nora Roberts

Combinando suspense com paixão, Nora Roberts oferece-nos um bestseller explosivo e muito sensual
Nos indolentes dias de verão, uma intensa vaga de calor é a maior notícia na cidade de Washington – mas a meteorologia é ignorada quando uma jovem é encontrada estrangulada.
Mais duas vítimas se seguem e subitamente todos os grandes jornais falam no assassino a quem chamam “O Padre”. Quando a polícia requisita o auxílio da psiquiatra Tess Court, ela apresenta o retrato-perfil perturbador de uma alma perversa para definir o criminoso.
Mas o Detetive Ben Paris não quer saber da psique do assassino – o que ele não consegue ignorar é Tess.
Confiante e atraente, Ben tem uma lendária reputação como mulherengo, mas Tess não reage a Ben como as outras mulheres, tornando o desafio de a conquistar muito mais aliciante.
Enquanto Ben e Tess se associam como parceiros nesta perigosa missão, a chama da paixão acende-se… No entanto, alguém mais tem o olhar enfeitiçado pela bela psiquiatra loura, e talvez ninguém consiga impedir a próxima tragédia.

*Pode Conter Spoilers*
Como é habitual, começo sempre por agradecer à editora que me disponibilizou um exemplar deste livro para leitura, neste caso tenho de enviar os meus agradecimentos à Saída de Emergência
Obrigada!
Agora, passemos à minha opinião:
Gostei, gostei muito deste livro e desta história que Nora Roberts nos apresenta. Toda a gente sabe e reconhece o valor desta autora, eu teria de ser um extraterrestre se dissesse que não gosto dos livros e da escrita de Nora.
Mais uma vez, conseguiu trazer-nos personagens cheias de personalidade, cheias de força. É certo que são personagens com assuntos passados por resolver, traumas e más experiências que vão sendo resolvidas e ultrapassadas ao longo do livro. Mas é mesmo isso que nos mostra como são as personagens, como são preenchidas e cheias de experiências para partilhar connosco.

As personagens:
Adorei a Tess, a nossa psicóloga de serviço que se vê, de um momento para o outro, envolvida num caso de assassinato de quatro mulheres. Tess é uma mulher bem sucedida e cheia de força. Sendo uma pessoa amável e compreensiva por natureza, não é de admirar que se tenha envolvido tanto no caso e com os seus intervenientes. Tem um avô adorável que a adora e que apesar de ser um homem com carisma forte e poderoso, consegue transmitir-nos aquela sensação de nos sentirmos em casa. Adorava as passagens em que eles os dois se encontravam.
E que tal o Ben? O nosso detective cinco estrelas? Gostei muito dele, embora, em muitas ocasiões não achasse bem da parte dele dar o tratamento de "gelo" à Tess, devido à profissão dela que o traumatizou uns anos antes. Psicólogos? Nem vê-los. Mas ela não tinha qualquer semelhança com o psicólogo que ele havia conhecido devido a situações traumáticas. Ainda bem que ele reconheceu a tempo que Tess era uma mulher e uma profissional diferente e agarrou-a com unhas e dentes. É, também ele, um detective competente e astuto. Repara nos mais pequenos pormenores e é um excelente avaliador de personalidades e atitudes. Já para não falar que quando ele quer é completamente *fofinho* (posso dizer isso de uma personagem tão masculina como ele?)
Agora... não podia deixar de falar no Ed. É uma personagem absolutamente *deliciosa*. É o braço direito de Ben. Amigo. Confidente e irmão de coração. Tem uma personalidade completamente adversa ao tipo de trabalho que exerce (também ele detective), pois é um homem adorável. É tipo um "bom gigante" de cabelos vermelhos. No entanto, não deixa de ser um profissional extremamente competente naquilo que faz. Como Tess uma vez lhe disse "Acho que estás na profissão errada", pois reconheceu o potencial de psicólogo nele. Uma pessoa capaz de ouvir o próximo, mas também capaz de ser directo e preciso quando assim a situação o pede. É, ao longo do livro todo, o grande apoio de Ben e achei simplesmente fantástica a relação deles os dois. O modo como se conhecem tão bem. Os defeitos, os vícios, os pensamentos que tinham apenas por um olhar. Se não fossem ambos muito machos, ia começar a ter as minhas dúvidas. (not).

Adorei o facto de Nora ter combinado dois géneros que tão bem conhece, uma vez que ela tanto escreve romances como de um momento para o outro temos mais um policial nas lojas. Tenho de admitir que o género policial não é muito a minha praia, mas também sei reconhecer quando a história é tão boa e escrita com uma mestria tal que é impossível não se gostar. Sem ser lamechas, este livro consegue emocionar-nos de várias maneiras. Mostra-nos um lado da vida que muitas vezes não temos noção que podem mexer tanto com o psicológico de alguém. Crianças problemáticas, traumas domésticos, perdas, suicídio, alcoolismo, doenças mentais que nos levam a fazer coisas que, de contrário, nunca as faríamos. Quando lerem, atentem em como ela (Tess) nunca julgou o assassino e tentou sempre percebê-lo.

Adorei e só não dei as cinco estrelas porque houve alturas em que não gostei mesmo nada do Ben (as tais situações em que ele a tratava com indiferença e algum ódio, até.)

Recomendo e espero ansiosa pelo segundo volume!

Sem comentários:

Publicar um comentário

O seu comentário é valioso!
Obrigada pela visita e volte sempre!