22/11/2018

Opinião | A Condessa Acidental | Valerie Bowman

Uma história de amor encantadora, inteligente e espirituosa.
Lady Cassandra Monroe esperou sete longos anos por que o homem dos seus sonhos, o Capitão Julian Swift, voltasse da guerra. Escreveu-lhe durante todo o tempo em que ele esteve fora e agora, por fim, ele regressou. Infelizmente, Julian está comprometido com Penelope, prima de Cassandra…
Julian regressa com a intenção de romper o seu compromisso com Penelope e procurar Cassandra, mas esta não o sabe, julgando que Julian nunca poderá ser seu. É então que a sua amiga Lucy tem a ideia de apresentar Cassandra a Julian como Patience Bunbury, de modo a aproximá-los.
Patience não existe, é apenas uma amiga que Penelope inventou para escapar a obrigações sociais. Só que Julian fica encantado com esta bela e sensual dama, não percebendo que se trata, na verdade, da mulher que realmente ama.
Poderá uma grande farsa conduzir ao verdadeiro amor?
(Pode Conter Spoilers...) 
Tal como havia acontecido no primeiro livro, A Duquesa Inesperada, em que temos o prazer enorme 
de conhecer Lady Lucy, este segundo volume da série Playful Brides está repleto de aventuras e grandes tropelias por parte de Cassandra e restantes amigas. Onde quer que Lady Lucy está metida, é certo que haverá muita confusão e situações hilariantes.
Cassandra é uma das mais antigas amigas de Lucy e, desde muito jovem, apaixonou-se por Julian, o soldado prometido a Penelope, sua prima. No entanto, muitos anos passaram desde a última vez que se viram e, após tantas cartas trocadas entre os dois enquanto ele esteve na guerra, a verdade é que Julian não reconhece a pequena e apaixonada Cassandra, agora adulta, quando a vê pela primeira vez desde o seu regresso da batalha. 
Lucy, como sempre, mete a colher e, de uma forma verdadeiramente mirabolante, envolve a pobre e transtornada Cassandra em tremendas alhadas. Faz com que Julian pense que Cass é Patience, a amiga inventada pela prometida de Julian para poder fugir ao compromisso verbal entre os dois. Ao contrário de Cass, a sua prima Penelope não está assim tão interessada em Julian, principalmente depois de todos os anos que foi obrigada a esperar por ele.
Ainda assim, nem tudo corre mal, pelo menos até Julian descobrir que foi enganado pela sua melhor e única amiga, fazendo com que, após tantos dias juntos e após ter o seu coração decidido pela verdade dos seus sentimentos, ele mantenha Cass afastada e consciente do mal que fez.
No meio de tudo isto, tenho de salientar que a minha personagem preferida continua a ser Jane, a "rata" de biblioteca que usa como acessório essencial, um livro e, sempre que pode e consegue, é vista com a cabeça enfiada nos livros. Adoro. 
Quanto a Cassandra, apesar do seu coração de ouro e feitio fácil e sensível, a certa altura sente a necessidade de crescer e tomar as rédeas da sua vida. Deixar de estar sob as ordens e planos da sua mãe e, de uma vez por todas, ser dona e senhora das suas decisões, ainda que isso implique que perdeu Julian para sempre. 
Adorei a forma como as personagens são tão divertidas e tão cúmplices umas das outras. Não é fácil conseguir que os leitores empatizem com todas ou com a maioria das personagens, mas Valerie Bowman conseguiu que, em cada livro, consigamos gostar e conhecer um pouco mais cada um dos intervenientes.
Mal posso esperar pelo seguinte!

Sem comentários:

Publicar um comentário

O seu comentário é valioso!
Obrigada pela visita e volte sempre!